Artigo: O Berço de Nossa Educação

Escola foi a primeira escola pública de Santa Catarina

Escola foi a primeira escola pública de Santa Catarina

Por Kennedy Nunes

Talvez poucos saibam, mas o modelo atual de escola pública do estado teve início em Joinville, mais precisamente na Escola de Ensino Básico Conselheiro Mafra. Ia o ano de 1911 e a iniciativa partiu do governador Vidal Ramos, que diagnosticava a educação como o mais grave problema de Santa Catarina. No caderno pedagógico da História da Educação do curso de pedagogia da UFSC, de 2011, lemos: “Imigrantes e seus descendentes cresciam, prosperavam e criavam escolas particulares espalhadas pelas colônias do Estado, muitas vezes financiadas total ou parcialmente por seu país de origem (…) Preocupado com a integração dos imigrantes, o governador decidiu trabalhar exaustivamente na nacionalização do ensino”. Trazido a Joinville, o professor paulista Orestes Guimarães foi incumbido de reorganizar a instituição pública.

O primeiro prédio da escola foi o prédio onde fica hoje o Corpo de Bombeiros Voluntários. Pela escola, ou Grupo Escolar como era chamado na época, passaram nomes de relevância nacional, como Carlos Gomes de Oliveira, que viria a ser senador; o empresário João Hansen, o prefeito Arnaldo Moreira Douat e o artista Juarez Machado.

São 102 anos de uma história que parece estar chegando ao fim. Interditada desde o começo do ano, a escola tinha matriculados 560 alunos, que foram distribuídos como deu. É preciso que o estado olhe com mais carinho para esse símbolo do ensino catarinense, que não vive apenas de passado, pois é uma escola importante ainda nos dias de hoje, quando acolhe mais de 500 alunos e que tem em média a procura por 500 novas vagas anualmente. Ora, se uma das justificativas para sua desativação é de que a escola fica em uma região sem demanda, o que dizer dessa procura? Que há demanda, lógico.

Tão importante quanto isso é saber que essa escola, por estar localizada na região central, é procurada por pais de bairros distantes que precisam se locomover até o centro para trabalhar, e matriulam seus filhos ali.

Sabemos que a Educação se faz com exemplos, sugiro ao governador que tome, pois, uma medida exemplar e mantenha viva a memória da primeira escola pública de Santa Catarina e sua capacidade de educar e formar grandes nomes para nossa sociedade.